Lembranšas
Festa de Aniversário nos anos 80

 

Comemorando os 24 anos da festa mais longeva da história da noite de São Paulo, vamos relembrar das festas de aniversário dos anos 80 e vamos começar com os aniversários de criança.

Bem diferente de hoje em dia, as decorações eram feitas pelas mães e tias que se juntavam no dia anterior para criar o clima da festa, lembro que passávamos horas colando papel crepon para criar as saias de cobriam as mesas. Havia também uns kits feitos de papelão com desenhos de personagens que colocávamos nas garrafinhas de refrigerantes e espalhávamos pela mesa. Outra coisa que não podia faltar era a cascata de bala de coco que dava um trabalhão para embalar uma a uma. As embalagens eram bem coloridas e chamavam muito a atenção.

Brigadeiro, beijinho e cajuzinho também não podiam faltar e eram colocados em círculos em volta da mesa incrementando a decoração. O problema era que ninguém podia pegar nenhum docinho antes dos parabéns!

O engraçado é que o cardápio era quase sempre o mesmo em todas as festas, sanduíche de patê de sardinha no pão Pullman em forma de triângulo, sanduíche de carne louca e coxinhas, tudo feito em casa.

O bolo era sempre a atração principal e motivo de ostentação entre os aniversariantes, todos queriam disputar qual era o bolo maior e mais bonito. O problema dos bolos é que eram sempre caseiros, então era difícil combinar beleza e sabor. A base da decoração dos bolos era um glacê feito de manteiga e açúcar e colorido com anilina que tinha gosto de gordura. Foi nos 80 que começou a moda dos papéis de arroz que era um papel comestível com foto de personagens que colocavam em cima do bolo. Para quem tinha uma boleira profissional na família o papo era outro, aí víamos bolos em formato de ursinho, de coração, de campo de futebol e pista de corrida. O recheio mais clássico era o de doce de leite, seguido pelo de brigadeiro. Ahhh sempre tinha cereja em cima pra decorar.

Já para os adolescentes a festa era bem menos elaborada, já que aproveitávamos a oportunidade para fazer um bailinho de garagem. Geralmente era "festa americana" em que as meninas levavam as comidas e os meninos as bebidas. O cardápio era quase o mesmo das crianças, mas as bebidas...pois é, nunca faltava Piperment, Fogo Paulista e Hi-fi , que na verdade era feita de cachaça com Fanta. A mistura dessas bebidas causavam vários porres memoráveis entre a galera.

Mas o mais importante era a música, em todos os bailinhos tinham os DJs "profissionais" , aqueles que levavam seus aparelhos 3 em 1 e aquelas caixas de som imensas e, claro, uma vasta coleção de Vinis. Óbvio que a hora mais esperada era a seleção de lentas onde os meninos tinham a oportunidade de xavecar as meninas e ganhar o prêmio máximo da noite, que era no máximo um amasso escondido pelos cantos da festa. Era nessa hora também que rolava o baile da vassoura, onde algum encalhado ia passando a vassoura pros meninos e roubava seu par, misturando assim todos os casais o que causava raiva em alguns e alívio para outros!! O pior é que em todas as festas, sempre tinha a mãe chata que acendia a luz bem na hora do beijo.

Pois é galera, muito bom relembramos juntos desse tempo mágico, ainda bem que podemos matar saudades dessas musicas todos os sábado na Autobahn.

Neste sábaado festa de aniversário imperdível na pista mais animada de São Paulo, comemorando os 24 anos do Autobahn com o melhor dos anos 80 numa festa histórica.

Nos vemos lá...

Ivana Fevereiro