Lembranšas
Brincadeiras de Meninas dos anos 80

Susis, Moranguinhos e Fofoletes à parte, as meninas dos anos 80 também curtiam outras brincadeiras.
Naquele tempo não tínhamos tantas opções de brinquedos como hoje, portanto tínhamos que usar nossa imaginação.
A brincadeira predileta das meninas era, sem dúvida, “brincar de Casinha”, pois essa era a oportunidade de exibir nossas bonecas e nossos acessórios.
Quase todas as meninas da época tinham um joguinho de chá de plástico rosa, que vinha com xícara, pires, bule e colherinha, era o máximo!!! E as panelinhas também, mas essas eram de alumínio e as tampas decoradas com adesivos. A mesa da cozinha, geralmente era a bacia de nossas mães virada para baixo!! Outra coisa muito comum eram as miniaturas de móveis feitas em madeira e eram vendidas na feira. As casinhas de boneca, também em madeira, era um luxo que poucas tinham na época.

Vamos falar agora das brincadeiras em que os meninos raramente participavam:

Cama de Gato
Era um pedaço de barbante que era trançado entre as mãos e a outra menina tinha que usar as pontas dos dedos para tirar o trançado e passar para suas mãos sem deixar escapar o barbante. Era uma das brincadeiras da hora do recreio, fazíamos rodinha e disputávamos até campeonato!!!

Adoleta
Essa também era da hora do recreio, e era um jogo de coordenação em que não podíamos errar a coreografia da música batendo as mãos em sincronia com nossa parceira. Esse jogo tem várias versões e músicas diferentes como:

“Adoleta Le peti Le toma Le café com chocolá adoletá.”
“Borboletinha tá na cozinha, fazendo chocolate para a madrinha, peti peti, perna de pau, olho de vidro e nariz de pica-pau, pau pau.”
“Popeye, Popeye, Popeye foi à feira e não sabia o que comprar, comprou uma cadeira pra Olívia se sentar, Olívia se sentou, a cadeira escorregou, coitada da Olívia foi parar no corredor”

 

Pular Corda
Brincávamos na rua ou na escola e era o máximo, duas meninas ficavam batendo a corda enquanto as outras pulavam, e caso não tivesse duas para bater a corda, amarrávamos a outra extremidade da corda no portão e a brincadeira continuava. Vencia quem pulasse a maior quantidade de vezes, e a brincadeira era sempre embalada por uma música e por uma coreografia, por exemplo:
“Um homem bateu em minha porta e eu abri, senhoras e senhores ponham a mão no chão, senhoras e senhores pulem num pé só, senhoras e senhores dê uma rodadinha, e vá, pro olho, da rua.”
“Salada, saladinha, bem temperadinha, com sal, vinagre, pimenta.”



Amarelinha
Brincadeira clássica desde os anos 50 que também fazia muito sucesso nos 80. Podíamos brincar em qualquer lugar, pois bastava um pedaço de tijolo para riscar o chão e algum objeto para jogar nos números. Incrementávamos a brincadeira fazendo o “inferno”(que era a área final dos números) bem grande, e aí se alguém pisasse estava desclassificado.


Caracol
Era o mesmo princípio da Amarelinha, mas o formato era de caracol e vencia quem pulasse todos os números com um pé só até o fim.

Concurso de Dança
Dessa, os meninos sempre ficavam de fora. Todas ensaiavam coreografias ou imitávamos artistas da época e as mais tímidas ficavam de juradas. Essa é famosa até hoje, pois sempre cruzamos com rodinhas de meninas dançando nas calçadas.

 

 


Lencinho na mão
As meninas faziam uma roda e se sentavam, uma delas passava por trás da roda e ao final na música, deixava cair o lencinho atrás de uma delas, e essa tinha que pegar o lencinho e sair correndo atrás da outra até que ela se sentasse no lugar vago. A musiquinha era assim:
“Lencinho na mão, caiu no chão, na mão de quem, na minha mão, posso jogar, pode!”



A maioria das brincadeiras era na rua, ou nos quintais que eram amplos nas casas daquela época, mas sempre ao ar livre, dentro de casa, só em dia de chuva, nem em dia frio, aliás, fazia frio naquele tempo? Pois é, não me lembro de sentir frio quando criança, pelo menos não na hora de brincar!!!!!
Até a próxima!!!!

Ivana Fevereiro