Media  |
Fale  |

Lembranšas
Carros Anos 80 - Parte 3

Como prometido, voltamos com mais uma parte da tão esperada matéria sobre carros dos anos 80!

Vamos falar sobre mais alguns carros que, embora nem todos tenham surgido na década de 80, foram muito importantes nessa época também.

Fiat Premio – Lançado em 1985, era como se fosse uma versão sedan do Fiat Uno. Com motor 1.5, porta-malas maior, mais espaçoso e mais confortável. Em 1986, foi eleito o carro do ano pela revista Autoesporte. Em 1987, foi lançada a versão quatro portas. Nesse mesmo ano, a Fiat começou a exportá-lo para a Europa com o nome "Duna". Devido ao sucesso, foi o décimo carro mais vendido na Itália. Até parar de ser fabricado, sofreu várias alterações de design, motorização e opcionais, que o tornaram um carro competitivo entre os sedans de médio porte da época.
..

Fiat Elba – Lançada em 1986, era a versão perua do Uno. Era bem espaçosa e tinha o maior porta-malas da categoria. Rebatendo o banco traseiro, você podia carregar praticamente o dobro da carga que o porta-malas comportava. Também foi vendida fora do Brasil com o nome "Duna Weekend". O Fiat Elba finalizou o trio de evolução da "família Uno" (hatch back compacto Uno, Sedan Médio Premio e Station Wagon Elba) dos quais somente o Uno continua em produção até os dias de hoje.

Gurgel – Quem não se lembra do Gurgel? Eram esquisitinhos, mas até que eram bonitinhos, rs. Criada pelo engenheiro Amaral Gurgel, a Gurgel Motores fabricou mais de mais de 40.000 veículos em mais ou menos 25 anos. Eram 100% nacionais e a carroceria era feita de fibra de vidro. Vários modelos foram fabricados, como Ipanema, Tocantins, Itaipu, Carajás, Xavante, BR-800 etc.



Ford Del Rey
– Foi lançado pela Ford em 1981. Representou bem a Ford no segmento de luxo, apesar de poucos recursos, era bem espaçoso e confortável. Era considerado um carro bem refinado, tanto que o slogan era "Ford Del Rey, questão de requinte".


Ford Belina – Belina era a perua do Corcel. Econômica, silenciosa, espaçosa e confortável, embora seu desempenho fosse fraco. Mas isso não impediu seu sucesso, pois era uma boa opção para a família. Concorria diretamente com a Caravan. Em 1982, foi lançada a Belina a álcool, mais bonita e maior. Já que o Corcel foi substituído pelo Del Rey em 1987, a Belina passou a ser derivada deste e não mais do Corcel.


Chevrolet Impala – Hum, os outros que me desculpem, mas esse é meu preferido! Elegante, bonito, motor potente, imponente. Esse carro me tira o fôlego, principalmente os modelos entre 67 e 74. O Impala deu tão certo que está presente tanto na cultura Lowrider quanto na cultura Streetrods até os dias de hoje. Apesar de tantas mudanças estéticas nos diversos modelos, o que nunca mudou foi seu potente motor V8, característica dos carros americanos da época. A paixão por motores potentes é tanta que tiveram a capacidade de fazer em 1963, com o Impala SS, um motor de 430hp, sendo que nos dias de hoje carros esportivos de ponta não demonstram tal potência. Isso é o que o torna uma lenda!


Chevrolet Caravan – Esse também era bom, afinal de contas, era nada mais nada menos do que a perua de outro grande carro, o Opala. Tinha até versão SS, com opção de motores de 4 e 6 cilindros e versão cambio automático. Moderninha pra época, né? Foi eleito em 1976 o carro do ano pela revista Autoesporte. Parou de ser produzida em 1992. E juntamente com uma versão ambulância e um Sedan Diplomata, encerrou a "família Opala", infelizmente.


Alfa Romeo – Em 1960, através da FNM (Fabrica Nacional de Motores), o Brasil começa a lançar modelos de carros licenciados pela Alfa Romeo. O nome do 1º modelo foi FNM JK 2000, que nada mais era do que o irmão do modelo Alfa 2000 vendido na Itália. No final da década de 60, o controle deixou de ser do Estado e passou a ser da própria Alfa Romeu italiana. A marca continuou então a produzir diversos modelos no Brasil. A década de 80 foi crítica para a empresa, pois a economia italiana passava por uma crise. Foi então que, em 1986, a Fiat comprou a Alfa Romeo. A marca continua produzindo carros modernos e de alto padrão até os dias de hoje, entrando inclusive para o mercado de Station Wagons.

Bem, por enquanto, é só pessoal, rs. Espero que tenham gostado! E, em breve, voltaremos com mais sobre carros.

Natascha Coelho