Lembranšas
Os melhores momentos do Chaves - Parte II

É inegavel que recordar das séries que povoaram o nosso imaginário durante a infância é sempre uma experiência muito prazerosa, entretanto, poucas delas tiveram tanta abrangência e atravessaram mais de três décadas sendo exibida, sempre conquistando as novas gerações, como é o caso de “Chaves”. No artigo anterior, elencamos alguns dos episódios que marcaram época e se tornaram indeléveis na nossa lembrança (se você não leu, vale à pena dar uma conferida). Contudo, seria impossível condensar num único texto todos eles, portanto, nos parágrafos seguintes, recordaremos de mais alguns momentos inesquecíveis desta série criada por Roberto Gomez Bolaños e que caiu no gosto dos brasileiros há mais de trinta anos.

O Disco Voador - Esse é apenas um dos muitos episódios em que o Seu Madruga tenta despistar o Sr. Barriga e assim não precisar pagar os eternos quatorze meses de aluguel que ele deve ao dono da vila.

Seu Madruga pede para que o Chaves fique atento e o alerte quando o Sr. Barriga chegar, gritando: “Já chegou o disco voador!”. É claro que o plano não dá certo, principalmente porque Quico, que está no aguardo de ganhar um disco voador de brinquedo de sua mãe, resolve se intrometer no assunto. Um dos pontos altos deste episódio ocorre no início, quando o Sr. Barriga confessa ao Seu Madruga que acredita nos discos voadores e daria qualquer coisa para ver um, então o Seu Madruga faz toda uma cena como se estivesse, naquele momento, vendo um disco voador no céu; não resistindo à tentação, o Sr. Barriga começa a olhar para cima quando se dá conta de que Seu Madruga já tinha desaparecido. O dono da via conclui (para um confuso Quico), que não se tratava de um OVNI – objeto voador não identificado – mas de um SEBI: Sujeito Embromador BEM Identificado.

O Futebol Americano –- Muito antes do púbico brasileiro sequer ouvir falar do Super Bowl, já conhecíamos e amávamos uma equipe de futebol americano, um tanto inusitada, porém muito marcante. Isso se deu quando a “Turma do Chaves” decidiu lançar-se no esporte.

Entre pancadas, brigas e mal entendidos – um dia comum na Vila do Chaves – chega o Sr. Barriga acompanhado pelo professor Girafales, que traz um presente pouco peculiar para as crianças: uma bola de futebol americano. Transcorridos alguns “acidentes” e algumas contusões, todos concluem que praticar este esporte no pátio da vila seria impossível e, como a sugestão de Quico não é acatada, ao invés de irem treinar no “Velódromo de Baseball”, conformam-se em jogar num terreno baldio localizado nas imediações. Tendo o Seu Madruga como o coach - apesar dele não saber que calistenia é um tipo de exercício físico – e o Professor Girafales na comissão técnica, o time composto por Chaves, Quico, Godinez e Nhonho começa a sua caminhada rumo a conquista de uma vaga na NFL... Bom, talvez não.

As meninas, Chiquinha e Pópis, são excluídas do jogo e colocadas na torcida, sob a alegação deste ser um esporte muito violento para as mulheres; daí o treinamento que se segue, realmente, tem muito mais de violência e acidentes do que de esporte. Quando finalmente são concluídos os sôfregos fundamentos preliminares e a turma começa a jogar para valer, todos se embolam numa confusa jogada quando Chiquinha, que fora excluída por ser mulher, sai do lugar que a colocaram e faz o único touchdown do jogo, que nenhum dos homens fora capaz.

Vamos ao Cinema?
“Preferia ter ido ver o filme do Pelé!” Quem de nós nunca ouviu esta expressão de alguém, ou quem de nós nunca a pronunciou quando nos vemos em algum programa ou atividade que ficou aquém de nossas expectativas? Tal bordão caiu no imaginário do povo brasileiro desde que este episódio do seriado Chaves foi exibido pela primeira vez, ainda na década de 1980 e, surpreendentemente, é muito comum ouvi-lo até hoje.

Este episódio começa com o Seu Madruga conversando com a Bruxa do Set... Digo... Com a Senhorita Clotilde, sobre estar muito preocupado com o fato de não saber do paradeiro de sua filha, a Chiquinha. Depois da Senhora do 71 ter inflamado muito mais a preocupação do Seu Madruga sobre o que poderia ter acontecido à menina, propondo as piores hipóteses possíveis para justificar o sumiço da garota, ela chega acompanhada pelo Chaves e pela Dona Florinda. A mamãe do Quico explica que havia convidado as crianças para acompanhá-la ao cinema, uma vez que “uma dama jamais deve ir desacompanhada a espetáculos públicos” e o Chaves, muito empolgado, conta que foram assistir ao “Filme do Pelé”. Dona Clotilde e o Senhor Madruga apreciam a ideia e partem para o cinema também, levando a Chiquinha consigo. Pouco depois, como de costume, o Senhor Barriga chega à vila para cobrar seu costumeiro aluguel e, após ser recebido por uma pancada pelo Chaves, fica indignado ao saber pelo pobre garoto que o seu devedor número um, o Seu Madruga, optou por gastar dinheiro no cinema ao invés de pagar a sua dívida, mas logo depois, num ato de generosidade, convida o Chaves para ver um filme com ele no cinema também.

Chegando lá, a turma transporta para um dos templos da Sétima Arte tudo o que já é muito corriqueiro de se observar no dia a dia da vila: muita briga, vexames, pancadarias e constrangimentos. Cenas embaraçosas de “romances” envolvendo o Professor Girafales, a Dona Florinda, o Seu Madruga e a Dona Cotilde – além do modo como o Seu Madruga consegue, com maestria, constranger o dono da vila com os demais expectadores figurantes presentes no Cinema, toda vez que ele tenta cobrar-lhe a sua dívida – conferem ao episódio muito humor e nos arrancam boas risadas todas as vezes que o assistimos. Contudo, o que realmente deixou este enredo tão memorável, é a frase que o Chaves constantemente repete todas as vezes que é contrariado: “Deveria ter ido ver o filme do Pelé!”

Apesar de, como bons brasileiros, conhecermos bem este episódio tão icônico do Chaves, ele esconde algumas curiosidades que talvez o grande público não saiba. A primeira delas é que quando o roteiro foi encenado, Quico já não era mais um morador da nossa querida vila. Isso se deve ao fato do ator Carlos Villagrán, que o interpretava, ter se desligado da série por desentendimentos com Bolaños. “Vamos ao Cinema?” é o primeiro episódio que ele não participa. Este acontecimento é mencionado no episódio somente através de uma única frase da Dona Florinda, quando é questionada sobre a ausência do filho: “Quico foi morar com sua madrinha rica. Cansou de viver entre a gentalha.”

Outro fato curioso, talvez mais surpreendente, é que o “filme do Pelé” não passou de mera licença poética dos dubladores brasileiros. Na realidade, o filme mencionado no seriado, originalmente, não tem nada a ver com o “Rei do Futebol”, mas sim, com algo bem mais mexicano. A produção que encantou o pobre garoto do barril era “El Chanfle”, um longa metragem escrito por Roberto Gomez Bolaños – ou Chespirito – onde ele mesmo protagoniza e dá vida a um pobre e atrapalhado roupeiro do clube “América do México”. O filme conta com a participação de todos os atores que compõem o elenco do Chaves. O episódio que a turma troca o cenário da vila pelo “escurinho” do cinema e que tanto nos marcou, nada mais é do que uma grande promoção para este filme.

Bilhetes Trocados
Em mais um dia comum na vila – por um dia comum entenda-se repleto de confusões – chega o Professor Girafales, com seu costumeiro ramalhete de flores para presentear a Dona Florinda. O que ele não esperava é que Quico percebesse que o presente do bom mestre à sua mamãe já estava muito previsível e dissesse a todos os pulmões: “Mas outra vez flores? Parece que o professor não sabe comprar outra coisa! Só flores, flores e flores!” (de fato, ninguém poderia dizer que o garoto estava errado). Diante disso, o professor constrangido, confessa à Dona Florinda que, desta vez, trouxera-lhe algo mais: versinhos românticos expressando como ele a imaginava. Entretanto, ao guardar o bilhete com suas declarações no bolso, ele cai no pátio da vila e é encontrado, nada mais nada menos do que pela Chiquinha, que o guarda consigo. Pouco tempo depois, Seu Madruga chama a sua filha e lhe entrega uma lista de coisas que a menina deve comprar no açougue. Quando, muito a contragosto, a menina vai cumprir a tarefa que seu pai lhe incumbiu, Quico a encontra e lhe pergunta sobre o bilhete perdido do professor e então a menina lhe entrega um dos pedaços de papel que tinha nas mãos; logo em seguida ao notar a presença de Chaves no pátio, a esperta filha do Seu Madruga dá um jeito de que o pobre garoto vá até o açougue em seu lugar, deixando com ele o outro papel que estava em seu poder.

Mais tarde, o Chaves retorna ao Seu Madruga, dizendo que o açougueiro o havia ameaçado: se ele lhe mandasse outro bilhete como aquele, faria picadinho de Madruga! Sem entender nada, o papai da Chiquinha pede ao Chaves que leia o conteúdo do papel em voz alta... Através da leitura que o Chaves realiza, mesmo ainda nos anos 80, os brasileiros puderam ter uma prévia do constrangimento que os corretores automáticos dos smartfones nos causariam décadas depois, pois o garoto troca todas as palavras da carta... Os trechos, por exemplo, “Na presente epístola” e “seus belos olhos”, são lidos como “apresentei a pistola” e “cebolas alhos”, arrancando-nos muitas risadas sempre.

Enquanto isso, Dona Florinda, em posse da lista de compras do Seu Madruga, ficou indignada ao pensar que nela estavam os versinhos do professor e ele supostamente a imaginava como: “meio quilo de retalho com osso, duas patas de frango, dois pés de porco e um quilo de língua.”

A lista e o bilhete romântico haviam sido trocados, contudo ao descobrir-se o mal entendido, a culpa – e as severas punições – acabam recaindo com toda força sobre quem nada tinha haver com isso e, tudo o que queria, eram algumas mercadorias do açougue, o Seu Madruga .

O Concurso de Miss Universo
Nos anos 70, poucos eventos atraiam tanto os olhares das pessoas, em diversas partes do mundo, quanto o concurso de Miss Universo. Nessas ocasiões, famílias inteiras se reuniam em frente a TV para acompanhar a escolha da mais bela mulher do mundo e, de quebra, admirar a beleza das finalistas.

É claro que entre os moradores da vila, também existia essa expectativa, mas por motivos bem diferentes. Seu Madruga quer assistir o concurso (que será transmitido diretamente de Acapulco), mas a sua TV está quebrada, então ele resolve dar um jeito de ir assistir na casa da Dona Florinda. Leva junto com ele (involuntariamente, claro) Dona Clotilde, Chaves e Chiquinha. Quando a dona da casa chega e encontra os seus “adorados” vizinhos na sala de sua casa, ela até tenta expulsar todos, mas então chega o professor Girafales que se empolga muito ao saber do concurso e quer assisti-lo também, junto com os outros.

Esse episódio é bem interessante, pois reúne, num mesmo ambiente, quase todo o elenco principal e, com uma dinâmica diferente do costumeiro: homens (Seu Madruga, Chaves, Quico e Professor Girafales) totalmente hipnotizados na TV e mulheres (Chiquinha, Dona Florinda e Dona Clotilde) entediadas e tentando se fazer notar, encarando a concorrência desleal das modelos em trajes de banho que desfilam no concurso. Quem vencerá essa disputa?

O mais interessante é que nesse ano (1978), o concurso realmente foi transmitido de Acapulco no México e, a campeã, foi Margaret Gardiner, da África do Sul.


Ana Paula Santos e Rapha Mussato