Lembranšas
O que tinha nas Farmácias dos anos 80 - Parte I

Nos anos 80, éramos viciados em alguns ´fármacos´, ou medicamentos, que simplesmente comíamos ou tomávamos indiscriminadamente, como se fossem guloseimas!

Mastiguinha – Essas pastilhas eram azedas e, quanto mais mastigávamos mais elas se tornavam meio doce. Era algo alucinadamente gostoso. Se não tivéssemos cuidado, comeríamos o vidro inteiro.

Redoxon – Era o melhor refrigerante que existia! O barulho e o cheiro gostoso daquilo nos faz lembrá-lo até hoje. Nem sei se ainda existe. O Tubo era de alumínio, branco (e não chinfrin como o de hoje).

Cebion – Se Redoxon era o “teen”, “refrigerante de limão”, Cebion era o “fanta”, típico gosto de refrigerante de laranja mesmo! Docinho, parecia Tang, às vezes colocávamos duas pastilhas no copo, pra ficar mais gostoso.

Pastilhas Vick – Os envelopes nos cortavam, às vezes de tirar sangue mesmo. Legal que de vez em quando vinham derretidas, ficavam mais gostosas, pena que acabavam logo (detalhe: então rasgávamos o envelopinho para lambê-lo!). Existiam na versão laranja e limão. O gosto era bem parecido.

 

Supra Sumo – Bem mais doce que as pastilhas Vick, e bem mais secas, além de maiores, eram viciantes. Era só abrir o envelopinho e tínhamos que nos controlar pra não comer de duas ou três de uma vez.

Pastilhas Valda – Sei que ainda existem, mas não lembram as antigas. Aliás, não sei porque chamam de pastilha se eram algo mais pra jujuba de menta. Vinham em uma latinha, com as abas da tampa cortantes, e cortavam mesmo (hoje são em envelopinhos de papel, para os fracos…)! E as pastilhas verdes vinham com muito, muito açúcar. Realmente ardiam, às vezes comíamos mais um pouquinho de açúcar da latinha pra ficar menos ardosa.

 

Tyrozets – Nem sei pra que servia isso. Eram umas pastilhinhas cor de rosa em uns envelopinhos metálicos (vinham quatro em um envelopinho). Não sei para que serviam, mas degustávamos aquilo como bombons.

Biotônico Fontoura
- era o inverso do Emulsão Scott. Enquanto este tem um desprezível gosto de óleo de fígado de bacalhau, aquele tinha gosto de pinga. Sim, o Biotônico, assim como o Sadol, era para nós crianças, o que a cachaça era para o Mussum, ou seja, o "mé"!

Era uma delícia! Aquele gostinho que ficava na boca... hummm... não Estavamos nem aí se estávamos tomando vitaminas, Queríamos era beber. Tomava-se uma colher de sopa antes das refeições e, às vezes, uma gole escondido. Até imaginei... Com duas pedrinhas de gelo e umas folhinhas de hortelã... a deficiência de ferro já era! Com este "aperitivinho" básico e supostamente "saudável",lógicamente o apetite da criançada aumentava e comiam como 'leões famintos" !!!

Após as refeições lá vinha aquela sonolência! (Bem típico de quem tomou aquele "aperitivinho" inocente, né?) Isso porém, é uma das coisas erradas do passado, graças á Deus, coisa do passado! Onde já se viu ministrar álcool para os pequeninos? Em 2001 a Anvisa proibiu álcool em formulações destinadas às crianças, nesta época o produto continha 9,5% de álcool etílico.





Melhoral Infantil - A verdade é que as pastilhas Melhoral e Melhoral Infantil fazem parte das nossas memórias e ainda por cima daqueles piores momentos, associados à doença, mas mesmo reconhecendo que não fazia milagres, parecia, contudo, ser um remédio eficaz para aquelas situações ligeiras e que para as quais era recomendado.


É assim justo que o Melhoral seja recordado como um dos companheiros dos nossos maus momentos infanto-juvenis. Tinha gosto de balinha, rs... E as mães tinham que esconder pra que não consumíssemos Como tal.

Gelol - Acredite se quiser, mas este produto já tem mais de cem anos. Em 1906 o produto já era comercializado no Brasil, mas foi nos anos 80 que teve sua grande comercialização e divulgação. Se não bastasse nos anos 80 muitas pessoas que se machucavam no volley, basquete e futebol (época em que vários esportes eram mais divulgados), as propagandas do Gelol são históricas com cenas de pessoas caindo aos descer de um ônibus e também pelo craque Sérginho Chulapa. Sem falar do famoso slogan: “Caiu? Bateu? Doeu? Passa Gelol que passa!”

Vitasay - Sua propaganda foi tão forte nos anos 80 que chegou até repercutir sobre muitas pessoas que estavam consumindo este produto. Também foi muito forte em seus comerciais com o Pelé e um comercial de 1989 com o judoca Aurélio Miguel.

Patricia Neves