Notorious
Camisa de Vênus - Camisa de Vênus

 


Marcelo Nova no aniversário de 18 anos
do Projeto Autobahn

Capa do állnum

No início dos anos 80, na contra mão das tradições baianas, surge uma banda que se destacaria no cenário musical brasileiro e se tornaria uma das bandas mais tocadas e respeitadas dos anos 80, o “Camisa de Vênus”.

No melhor estilo de punk rock, um movimento de ganhava força em São Paulo e comandada por Marcelo Nova, que com sua personalidade forte e voz marcante, impôs seus conceitos e bateu de frente com as gravadoras, o Camisa de Vênus logo se tornaria sucesso alavancado pela polêmica e autenticidade.

Marcelo Nova não se enquadrava no conceito baiano, não curtia carnaval, não gostava de MPB e após assistir a um show de Raulzito e os Panteras (Conjunto que tornaria famoso o grande Raul Seixas), se rendeu a esse estilo musical e também influenciado pelo rock de Led Zeppelin, Judas Priest, Chuck Berry formou o Camisa De Vênus, nome sugerido por Marcelo depois de ouvir comentários que o som da banda era barulhento e incômodo, assim como o preservativo.

Após a gravação de um compacto, a banda começa a fazer shows e se destacar, foi quando em 1983 a Som Livre os convida para gravação do seu primeiro álbum, o “Camisa De Vênus”. Logo após seu lançamento e com o sucesso “Bete Morreu” nas paradas, a gravadora, pressionada pela censura, sugere a troca do nome da banda, pois sua distribuição estava sendo prejudicada por seu nome muito ofensivo. Marcelo sugere então a mudança do nome para “Capa de Pica”!!! Como não houve acordo entre as partes, a banda foi expulsa da gravadora e a execução de suas músicas proibidas nas rádios.

Tarde demais, pois o Camisa de Vênus já havia caído no gosto musical dos jovens e o disco se tornou um sucesso de vendas.

O disco reúne músicas com letras fortes e sonoridade pesada, no melhor estilo punk rock.

FICHA

"Camisa de Vênus - Camisa de Vênus"
Data de Lançamento:
1985
Número de Faixas: 11
Estilo: Rock
Tempo Aproximado: 36 minutos

Faixa-a-Faixa:

01. Passamos Por Isso 3:52
02. Metastase 4:13
03. Bete Morreu 1:47
04. Correndo Sem Parar 4:46
05. Negue 4:03
06. O Adventista 3:31
07. Dogmas Tecnofacistas 2:00
08. Homen Não Chora 3:11
09. Passatempo 3:22
10. Pronto Pro Suicídio 3:10
11. Meu Primo Zé 2:28


Produtor - José Emilio Rondeau
Vocal - Marcelo Nova
Baixo - Robério Santana
Guitarra - Karl Franz Hummel
Bateria - Gustavo Adolpho Souza Mullem

Gravadora - RGE

 


As músicas de destaque são:

Bete Morreu – Conta a história de uma patricinha que foi empurrada para dentro de um carro, violentada, estuprada e morta. A letra é chocante, mas mostra uma realidade nunca abordada por outra banda. Há quem relacione a letra à época da ditadura, pois retrata a abordagem dos militares e a tortura que sofriam os presos políticos. Essa música foi o primeiro sucesso da banda, não só por sua letra, mas pela proibição de sua execução nas rádios.

Negue – Versão punk da música de Adelino Moreira, um compositor que Marcelo Nova admirava, fez sucesso nos anos 70 na voz de Nelson Gonçalves e foi regravada por vários interpretes da MPB. Marcelo diz que adorava a dramaticidade da letra.

O Adventista – Uma crítica ao momento político e as crenças dos brasileiros, essa música também fez muito sucesso e era tocada por várias bandas punks em seus shows.

Meu primo Zé - Uma sátira ao conceito de família, em que os mais bem sucedidos se tornam exemplo, interpretada por alguns como uma descrição da inveja e desdém dos parentes menos privilegiados, e por outros como “ele tem tudo isso,
mas e daí? Ótimo, pois afinal, todo mundo tem um “primo Zé” na família.

“Camisa de Vênus” é um álbum que não pode faltar em sua discoteca, pois foi o primeiro de uma das melhores bandas do Rock Nacional dos anos 80.

Até a próxima!!!

 

 


Ivana Fevereiro