Notorious

DE REPENTE 30...

DISCOS QUE COMPLETAM 30 ANOS EM 2016

Entrando no clima da comemoração especial deste sábado no Autobahn comemorando o aniversário de alguns dos principais da história da música, vamos relembrar esses discos que fizeram a trilha sonora das nossas vidas.


New Order - Brotherhood
Quarto álbum do New Order, lançado em outubro de 1986. Gravado no Windmill Lane e mixado nos estúdios da Amazon em Liverpool.

A capa do disco é outra concepção de Peter Saville e Trevor Key, representando uma barra de zinco e seu número de série. Poucas edições especiais foram revestidas com esta liga de zinco-titânio.

Peter Hook disse: “Ouvindo ao disco vocês perceberam que ele tem 2 lados diferentes. Ocorreram batalhas intensas em Brotherhood."

Já Bernard Sumner comentou: "Nós sempre tivemos esse equilíbrio entre o som eletrônico e coisas da banda. Eu estava sempre empurrando para a eletrônica, e Hook foi sempre empurrando para o material da banda, o que foi muito justo.

Acho que precisávamos do material da banda. E por sorte ele pendeu para o jeito da banda em Brotherhood. Foi um disco muito denso, porque tínhamos ido de uma forma meio “louca” nos overdubs, por isso ele foi muito “em camadas”, realmente muito denso." Álbum nos premiou com Bizarre Love Triangle, Paradise, Every Little Counts, All Day Counts, entre outras maravilhas em um dos discos mais completos da história da música. Atingiu sua maior posição como no. 9 nas paradas britânicas. Em 2008 o álbum foi relançado como uma edição de colecionador contendo 2 CDs, com o álbum bônus contendo singles que não estavam no álbum, alguns remixes 12" e lados B.

Depeche Mode - Black Celebration
Quinto álbum da banda, lançado em 17 de março de 1986, é considerado por muitos como sendo o seu mais amado álbum de todo seu catálogo musical e definitivamente merece todos os comentários positivos que ele ganha. A crítica o classifica como o álbum que mais se inclinou para o gótico: é DM no seu estilo mais sombrio, dark e niilista (tende ao pessimismo, à negação de todos os princípios religiosos, econômicos e sociais). É sem dúvida tocado mais e mais por inúmeros adolescentes à medida que tingem seus cabelos trancados em seus quartos. Completou 30 anos em 2016, e ao lado de "Music For The Masses" é facilmente a sua obra-prima até hoje.

Kraftwerk - Electric Cafe
Nono álbum da banda, lançado em 16 de dezembro de 1986. Cinco longos anos após o revolucionário Computer World, o Kraftwerk finalmente reapareceu com outro álbum extramamente inovador: Electric Cafe. Que nos rendeu clássicos como a inesquecível Musique Non Stop e a clássica The Telephone Call.

Após o resto da indústria da música pop ter finalmente “pego” a visão do grupo, eles já não pareciam tão inovadores e inspirados.

Apesar de ser um bom trabalho, na verdade, a curta duração do álbum (com menos de 36 minutos) o lado A é praticamente uma única sequência a conexão íntima entre as faixas , "Technopop" e "Musique Non-Stop", praticamente intercambiáveis e os cortes restantes surpreendentemente convencionais em forma e conteúdo.

Pet Shop Boys - Please
É o álbum de estréia de uma das duplas mais apaixonantes dos anos 80, ao lado de Soft Cell, Yazoo e Erasure. O disco atingiu o nº 7 da Billboard 200 e o nº 34 do Top R&B/Hip-Hop Albums.

Recheado com os consagrados e inesquecíveis hits como West End Girls, Opportunities, Love Comes Quickly e Suburbia, é disco que não pode faltar no case de nenhum DJ. Bomba em qualquer festa !

Sigue Sigue Sputnik - Flaunt it
Álbum cuja referência, sem dúvida alguma, é Love Missile F1-11.
Uma das novidades mais interessantes e mais excitantes que saiu em 1986 na Grã-Bretanha, e que não fez o seu caminho para os Estados Unidos até o ano seguinte. Misturando sintetizadores, samples, computadores com atitude punk. Um dos principais discos da década.

Olhando para ele e ouvindo, vemos que estava muito à frente de seu tempo pelo estilo e ritmos techno-punk.

Erasure – Wonderland
Ano muito marcante por trazer os Álbuns de estreia do Erasure e do Pet Shop Boys
Lançado em 2 de junho de 1986, Este é o álbum de estreia de outra dupla britânica apaixonante, o Erasure.
O guru do synthpop Vince Clarke, depois de ter acabado de sair do Yazoo e Depeche Mode, uniu -se ao vocalista Andy Bell para o que seria uma parceria longa e duradoura.

Destaque para os hits Who Needs Love Like That, Oh L’Amour e Heavenly Action.

Alphaville Afternoons in Utopia

Alphaville subiu ao primeiro nível de importância de sua geração com a estréia do álbum “quebra-tudo” Forever Young em 1984.
Mas foi com o seu 2º álbum, de 1986, Afternoons in Utopia, que realmente estabeleceram uma das obras mais marcantes do New Wave. A partir da borbulhante Dance With Me, é quase que um hino que depois leva a Jerusalem, este álbum apresenta um hit após o outo. Sensations parece ficar melhor a cada vez que ouvimos, além da cativante Red Rose, e é claro que ninguém poderia se esquecer da muito dançante Universal Daddy.

Siouxsie and the Banshees – Tinderbox
Siouxsie and the Banshees têm muito do que se orgulhar.
Sua influência sobre o gênero pós-punk é apenas um fator. Talvez outro é a consistência de excelentes álbuns.
Esta banda tem um bom histórico quando se trata de liberar esforços consistentes.
Tudo nos leva a falar sobre Tinderbox: lançado em 1986, continua a ser, sem dúvida, um dos álbuns mais importantes que você pode listar para o gênero pós-punk.

The Queen Is Dead - The Smiths
Uma maneira fácil de tornar alguém fã dos Smiths é dar-lhes The Queen Is Dead.
É uma obra-prima pop que funciona como uma coleção de singles, bem como um álbum unificado.
Morrissey fala a respeito: “"Eu não queria atacar a monarquia de forma monstruosa. Mas eu achei que, como o tempo passa, essa felicidade que tivemos vagarosamente se esvai e é substituída por algo que é totalmente cinza e completamente triste. A própria idéia da monarquia e da Rainha da Inglaterra está a ser reforçada e feito para parecer mais útil do que realmente é ".
Além da faixa que dá título ao álbum, pode-se apreciar The Boy With the Thorn is his Side, There is a Light that Never Goes Out, entre outras.
Mas útil mesmo para qualquer amante desta banda.

True Blue - Madonna
True Blue é o álbum onde Madonna se tornou verdadeiramente Madonna, a Superstar.
Com seu projeto infinitamente ambicioso, sem medo, provocativa, conseguiu obter boas críticas, e fazer boa música.
De todos os astros atuais, nenhum tem manipulado o mercado da fama de forma mais astuta do que Madonna.
Assim como Prince (que Deus o tenha), ela reconheceu a virtude de um nome de uma só palavra e demonstrou a verdade de um velho ditado - o sexo vende.
Ela jogou com a moral pública da América passando de uma garota virtuosa à construção de starlet, depois para a imagem de menina má, e agora com um coração de ouro como a nova mulher honesta.

True Colors Cyndi Lauper
True Colors, o segundo álbum de Cyndi Lauper, não soa muito parecido com o seu mega sucesso platinum She´s So Unusual – o que foi bom para ela.
A sua estréia solo sem precedentes de 1983 foi um trabalho eminentemente audível, muitas vezes bravo, francamente subversivo.
Quando Lauper cantou a festiva Girls Just Wanna Have Fun ou a melódica Time After Time, ela usava sua individualidade tanto como um distintivo de honra quanto como uma cruz para carregar.
Muito foi escrito sobre o vestido excêntrico e aparência, e da mesma forma, muita tolice foi divulgada sobre a sua tomada de atitude em temas sexuais.
"Eu não me encaixo" é o verdadeiro sentimento por trás de todas as faixas de She’s So Unusual.
Quando ela cantou I want to be the one to walk in the sun ela soou como alguém que tinha passado muito tempo na escuridão.
Lauper não foi um artifício comercial: ela realmente era incomum.

Scoundrel Days - A-ha
Lançado no meio da turnê mundial de 1986, as canções de Scoundrel Days foram inseridas ao setlist ao vivo do A-Ha como um novo som, mais dark.
A partida com o pop puro de Hunting High and Low, este álbum contém vários pilares do catálogo do A-Ha, como I’ve Been Losing You, Cry Wolf e Manhattan Skyline.
Embora não tão intenso como o álbum de estréia da banda, Scoundrel Days ainda faz sucesso como o grupo dos "meninos bonitos", que podem se conectar musical e liricamente.
As duas primeiras músicas sozinhas são uma das melhores “porradas” de abertura de um álbum: o limite tenso da tocada da faixa-título, exibindo um dos vocais crescentes de Morten Harket durante o refrão e uma tocaca rápida e empolgante na música, e The Swing of Things, uma música elegante porém melancólica, com um belo arranjo synthpop na guitarra (mais algumas batidas finas de cortesia de Michael Sturgis).

True Stories - Talking Heads
Embora compartilhe seu título com o filme de David Byrne, o novo álbum dos Talking Heads não é uma trilha sonora no sentido tradicional. Estas nove canções originais são na sua maioria realizadas por atores e atrizes no filme, enquanto o registro contém interpretações da banda. O álbum já começa muito bem como Love for Sale, e depois ainda completam o recheio sucessos como Puzzlin’ Evidence, dá uma relaxada com Hey Now, e volta à carga com Wild Wild Life, entre outras.

Notorious - Duran Duran
Depois de uma breve parada, o Duran Duran voltou como um trio em 1986 com Notorious.
O preenchimento desta lacuna a partir da faixa-título deixou claro que a banda estava tentando reverter sua imagem de “menininhos” e refazer-se como uma banda pop para yuppies.
Graças à produção “amigável para o rádio” e polida de Nile Rodgers, Notorious foi um sucesso, como a banda encontrou um meio termo entre o synthpop e funk branco.

Jean Michel - Jarre Rendez-Vous
Apenas depois de sua performance ao vivo em Houston, para comemorar o aniversário da NASA, Jean-Michel Jarre lançou Rendez-Vous: um álbum de sonoridade apropriadamente cósmica e de reluzente synthpop.
Trata-se da mesma música ouvida no concerto em Houston e mostra Jarre aproximando-se do território de rock convencional, embora ainda com seu projeto distinto.
A faixa final, "Last Rendez-Vous: A Parte de Ron foi composta por Jarre para o astronauta Ron McNair e foi destinado a ser a primeira música tocada e gravada no espaço. O dever histórico de McNair foi interrompido, no entanto, pelo desastre da nave Challenger em janeiro de 1986.

Marcel Zampieri Gimenez