Notorious

DE REPENTE 30...

DISCOS QUE COMPLETAM 30 ANOS EM 2017

Entrando no clima da comemoração especial deste sábado no Autobahn comemorando o aniversário de alguns dos principais da história da música, vamos relembrar esses discos que fizeram a trilha sonora das nossas vidas.


NEW ORDER - SUBSTANCE
O disco mais tocado nas pistas dos anos 80 foi lançado em 1987. Substance do New Order era o disco preferido de 10 entre 10 DJs dos anos 80. Além de ter recolocado as pistas de dançar em evidência (desde o final da Disco Music não havia um boom de danceterias em São Paulo), com a chegada do Substance (ainda importado) no Brasil a partir do final de 1987, as pistas de dança voltaram ao auge! A discoteca foi a febre dos 70 e durou até comecinho dos anos 80, a segunda revolução das pistas de dança veio no final de 1987 com o lançamento mundial de Substance, e de repente uma febre de abrir diversas casas noturnas em São Paulo, os bailinhos de garagem que eram só para os amigos, de repente viraram eventos do bairro, onde mais da metade do público no seu bailinho você nunca tinha visto. Substance é considerado o propulsor da segunda revolução das pistas de dança.

Além disso, os DJs dos anos 80 tocavam com vinil, lembre-se que não existiam CDJs, pendrives e muito menos Seratos, e as versões para pista de dança eram apenas as que saíam em 12", remixes, singles que só tinham uma música com versões diferentes dessa mesma música. Agora imagine-se no lugar desse DJ que vai tocar por 3, 4 horas numa noite, tocando umas 80 músicas, podendo tocar apenas uma música de cada disco, 80 discos porque ninguém tocava álbuns das bandas e sim os singles, e já se prepare para a pista não curtir tudo então você tem que ter uma varição, mais 50 a 80 discos reservas... portanto o DJ tinha que andar com um case pesadíssimo de 150 discos. Aí quando surge Substance com 6 a 7 músicas que ele pode tocar em qualquer pista, já prontas nas versões 12", economizando alguns kilos no seu case e serem as músicas mais cantadas e comemoradas nas pistas. Substance passou a ser o disco mais adorado pelos DJs e consequentemente o mais tocado nas pistas de dança e em todos os bailinhos (lembre-se não é só carregar, ainda economizava em comprar 6 ou 7 singles importados, que não saiam menos de 20 dólares cada, só com Substance já economizam mais de 100 dólares...).

Substance conseguiu unificar rádios tão díspares na época como 89 FM, que tocava várias vezes ao dia True Faith (e seu lado B - 1963), Ceremony, Temptation e Thieves Like Us, com rádios como Cidade, Jovem Pan e Transamérica que tocavam Blue Monday, Perfect Kiss, Subculture, Shellshock, Bizarre Love Triangle e True Faith. Das casas mais badaladas como Woodstock, Up & Down e Contramão às casas alternativas como Espaço Retrô e Ácido Plástico. O New Order conseguia unificar "boyzinhos" e alternativos num mesmo álbum. Fãs de pós-punk, de indie e de dance music lotavam as pistas das casas mais variadas de SP para curtir o állbum mais adorado da década.

ERASURE - THE CIRCUS
Um dos melhores álbuns dos 80 é a obra de arte de Vince Clarke e Andy Bell. Disco não estourou nas rádios brasileiras, e na época o Erasure era tocado apenas nas casas ditas "góticas" de São Paulo. De Woodstock a Espaço Retrô o Erasure era adorado no meio alternativo da cidade antes do fenônemo A Little Respect (que viria no ano seguinte tornar o Erasure uma das bandas mais adoradas dos anos 80), afinal o Erasure era da Mute Records, e tudo que vinha de uma gravadora indie inglesa era adorado nas pistas de rock e pós-punk da cidade.

É um álbum apaixonante, e como OMD e Pet Shop Boys é daqueles discos que você quer ouvir inteiro. não dá para pular nenhuma música, todas são igualmente apaixonantes, envolventes, cantadas com uma paixão incrível por quem ama o que faz, Andy Bell incorpora cada letra, e Vince toca com uma dedicação integral cada nota. Destaque para Sometimes, Victim of Love, It Doesn't have to be Like that que se tornaram singles essenciais na discografia da banda.

The Circus foi eleito um dos 10 principais discos da década de 80 ao lado de Dare do Human League e Low Life do New Order. Disco indispensável para qualquer fã dos anos 80!

THE CURE - KISS ME, KISS ME, KISS ME
- Um dos discos de maior sucesso da carreira da banda que levou a banda pela primeira vez ao top 40 da Billboard. Um clássico que nos brindou com as maravilhosas Why Can´t I Be You e Hot Hot Hot, e também uma das melhores músicas da década: Just Like Heaven. Simplesmente obrigatório!

PET SHOP BOYS - ACTUALLY
Um dos discos mais apaixonantes dos anos 80, daqueles que você coloca pra ouvir inteiro e quando termina quer repetir duas, três, quatro vezes. Neil Tennant e Chris Lowe mostram como fazer música de qualidade com requinte e sofisticação. Heart, Rent, Shopping, a maravilhosa What Have I Done to Deserve This, It's a Sin e One More Chance (uma das primeiras músicas do Pet Shop Boys, das demo tapes, segundo single e primeiros shows, ganha sua versão definitiva em Actually).


SIOUXSIE & THE BANSHEES - THROUGH THE LOOKING GLASS
Sim o álbum de covers na interpretação da Siouxsie. O nome do álbum já é inspirado na banda mais influente da história da música, tirado do refrão da música que ela faz cover nesse álbum, The Hall of Mirrors do Kraftwerk, que de forma apaixonante havia composto uma das principais músicas existencialistas de todos os tempos, usando o refrão do Kraftwerk e o título do livro do Lewis Carroll, Alice Através do Espalho (e o que ela encontrou lá), sobre essa idéia do livro e esse poema musical do Kraftwerk se baseia a idéia da Siouxsie em reunir suas influências neste álbum incrível. Além do cover do Kraftwerk, destaque para The Passenger do Iggy Pop (sim a Siouxsie foi a primeir a fazer esse cover,e sem dúvida nenhuma o melhor cover já feito para essa música do Iggy), e a maravilhosa Wheels on Fire, cover do Bob Dylan com uma roupagem nova, dançante e envolvente!

DEPECHE MODE - MUSIC FOR THE MASSES
O disco do Depeche que arrebatou as pistas de dança. Depois de vários singles que tiveram ótimas repercursões nas pistas, o Depeche resolve abraçar de vez o dancefloor, e pra promover o disco, contrata ninguém menos que Tim Simenon (mais conhecido como Bomb the Bass), para fazer a versão remix de Strangelove para promover o álbum. Pronto! As vendas estavam garantidas, A versão remix de Strangelove rodou as pistas de todo o mundo puxando as vendas do álbum, numa estratégia comercial poucas vezes vista, com o remix do maior nome da Acid House no mundo, Strangelove se tornou o carro chefe de um álbum sensacional, recheado de maravilhas como Never Let me Down Again, Behind the Wheel e The Things You Said.

THE COMMUNARDS - RED
- Segundo álbum da dupla inglesa com os vocais poderosos de Jimmy Sommerville. Além das dançantes Tomorrow e There´s More to Love Than Boy Meets Girl, e da belíssima For A Friend, esse disco traz a versão sensacional e inesquecível de Never Can Say Goodbye que estourou nas pistas do mundo todo.

DEAD OR ALIVE - MAD, BAD AND DANGEROUS TO KNOW
- Continuando a sua trajetória de sucesso, o terceiro disco dos britânicos do Dead Or Alive trouxe uma bela capa apenas com o vocalista Pete Burns. Este disco contou com vários singles de muito sucesso como Brand New Lover, I´ll Save You All My Kisses, Something In My House e Hooked On Love, e ainda a excelente Son Of A Gun.

RICK ASTLEY - WHENEVER YOU NEED SOMEBODY
- Um verdadeiro arrasa-quarteirão que fez as pistas do mundo inteiro se renderem á voz marcante de Rick e seus passinhos inesquecíveis. A faixa título, Never Gonna Give You Up e Together Forever fazem a trinca de abertura tornarem esse disco uma verdadeira delícia de ouvir. Rick Astley com certeza estreou com os dois pés na porta!

LEVEL 42 - RUNNING IN THE FAMILY
- Um disco que simplesmente beira a perfeição. Cinco singles de sucesso levaram Running In The Family ás posições mais altas das paradas de sucesso no mundo todo: Lessons In Love, It´s Over, Children Say, To Be With You Again e a ótima faixa título mostraram que a banda não estava para brincadeira no seu sétimo disco de estúdio.

MIDNIGHT OIL - DIESEL AND DUST
- Mais um álbum super engajado do Midnight Oil, dessa vez mais direcionado a defender os direitos do aborígenes sendo esmagados pelos governos australianos, praticamente dedicado à luta ambientalialista se tornou um dos principais discos da história do rock australiano. Posicionamento político que rendeu anos mais tarde o Ministério do Meio-Ambiente a Peter Garret vocalista da banda, que deu uma pausa nos trabalhos do Midnight Oil para cudiar das questões ambientais e proteção aos índios (aborígenes) da Austrália. Com certeza ao lado de Bob Dylan, Heaven 17 e The Clash, é um dos artistas de esquerda mais engajados dentro do mundo do rock.

MADONNA - WHO´S THAT GIRL SOUNDTRACK
- Típico caso em que a trilha sonora acaba se tornando mais conhecida e fazendo mais sucesso do que o próprio filme. Trazendo quatro músicas interpretadas pela rainha do Pop (a faixa título, Causing a Commotion, The Look Of Love e Can´t Stop), essa trilha vendeu mais de seis milhões de cópias no mundo todo.

THE SMITHS - STRANGEWAYS, HERE WE COME
- Apontado como o disco favorito de muitos fãs da banda, infelizmente ficou marcado por ser o último álbum de uma das melhores bandas de todos os tempos. Girlfriend In a Coma, I Started Something I Couldn´t Finish e Stop Me If You Think You´ve Heard This One Before aparecem com destaque ao lado das espetaculares Last Night I Dreamt That Somebody Loved Me, Unhappy Birthday e Paint A Vulgar Picture.

GEORGE MICHAEL - FAITH
- Depois do fim do Wham! muita gente achou que a carreira de George Michael estaria terminada. Ledo engano, pois o cantor estreou a sua carreira solo com um dos melhores discos da história da música pop. Vencedor do Grammy de melhor disco do ano, Faith rendeu seis singles de sucesso e levou a carreira de George a um patamar nunca antes visto. Talvez uma das razões de tanto sucesso seja que além de George ter sido responsável por todas as composições, ainda tocou praticamente todos os instrumentos utilizados na gravação dessa obra-prima.

EIRC B & RAKIM - PAID IN FULL
- Álbum de estréia da dupla. O ponto alto do disco é a música título, Paid in Full, que se tornou um doos maiores sucessos da história do Acid House com dezenas de samples, incluindo na versão 12" a voz inesquecível de Ofra Haza em Im Nin Alu, a bateria do The Soul Searchers da música Ashley's Roachclip, contando ainda com beats do Dennis Edwards e samples de voz do Beside e sua super dançante Change the Beat, o côro de The Salsoul Orchestra, além de samples da rádio novela do Superman nos anos 40. Um trabalho refinado seguindo a linha do Bomb the Bass.

THE SISTERS OF MERCY - FLOODLAND
- Esse disco começou a ser gravado em Janeiro de 1987, mas viu a luz do dia apenas em Novembro daquele ano. O motivo principal dessa demora foi a saída dos membros Craig Adams e Wayne Hussey. A demora valeu muito a pena, pois esse disco grandioso trouxe as pérolas Lucretia My Reflection, Dominion / Mother Russia, 1959 e This Corrosion.

EXPOSÉ - EXPOSURE
- Álbum de estréia do trio feminino mais influente da história do Freestyle. Um dos discos de maior sucesso de 1987 chegou a ter 5 músicas deste álbum histórico no topo das paradas! O sucesso desse álbum foi tão grande que várias bandas no mesmo formato surgiram fazendo a mesma linha trios femininos cantando Freestyle para as pistas de dança, vide Company B, Cover Girls, Pajama Party, Sweet Sensation, entre outras, todas seguindo a trilha criada pelo Exposé nas rádios de Miami e Nova Iorque. Os principais hits desse álbum maravilhoso são Point of no Return, Let me be the One, Seasons Change (que tocaram sem parar em todas as rádios e pistas de São Paulo, essas duas últimas na inesquecível Sessão de Lentas). Além de Exposed to Love e Come go with me, que estouraram em todo o continente, mas infelizmente não chegaram forte nas rádios brasileiras.

U2 - THE JOSHUA TREE
- Um dos melhores discos da história do rock e que fez a banda trazer a sua maior turnê mundial até então. Where The Streets Have No Name, I Still Haven´t Found What I´m Looking For, With Or Without You, e Bullet The Blue Sky já valem a pena por formarem a sequência perfeita de abertura do disco, que ainda traz as sensacionais Running To Stand Still, In God´s Country e Exit.

DAVID BOWIE - NEVER LET ME DOWN
- É o 17º álbum do David Bowie, é o rompimento do Camaleão do Rock, com sua fase New Wave (mais forte em Let's Dance), e a fase eletrônica e mais criativa (a trilogia em Berlim, Low, Heroes e Lodger), resgatando os elementos mais convencionais de sua música até 75, se tornou bem sucedidos do Bowie, ganhando disco de ouro na Inglaterra, apesar do suceso comercial, o disco não obteve grande aprovação dos fãs dedicados e da crítica que consideravam uma decadência de criatividade, o que levou Bowie a tentar outros caminhos formando então o Tin Machine e dando uma pausa na sua carreira solo. Os destaques desse álbum vão para Day In Day Out, Time Will Crawl, além da própria faixa-título.

SUZANNE VEGA - SOLITUDE STANDING
- Como o próprio nome diz o segundo álbum da Suzanne Vega nos leva a refletir sobre o ato, voluntário ou não, de ficar só. Reflexões sobre solidão, que permeava a música de meados da década. O momento mais forte é quando musicou a história do sofrimento de Kasper Hauser tão estudado nos cursos de Ciências Sociais até hoje, centralmente em antropologia e também na área de Psicologia, contando a história do jovem que foi mantido trancado numa masmorra desde seu nascimento e nunca teve contato com seres humanos, o soltaram na cidade aos 15 anos apenas com um bilhete na mão, não sabia falar, e tinha dificuldades inclusive para andar, mantido na mais completa solidão até então. Com o contato com outros humanos se tornou um exímio músico, um desenvolvimento incrível do lado direito do cérebro. Infelizmente mais uma vez sofreu ao ter sua morte encomendada por médicos e psicólogos da cidade que o mataram para estudar seu cérebro, atrocidades comeitdas por quem deveria prezar pela vida. Outras músicas muito indicadas do álbum são a famosíssima Luka, e claro Tom's Dinner que ganhou duas versões no álbum e anos mais tarde um remix que a tornou famosa nas pistas de dança.




Ronaldo Martins Lima e Marcos Vicente