Notorious
Pet Shop Boys - Behaviour

 


Alguns definem como angustiante, outros como melancólico, mas nós podemos definir este álbum como uma verdadeira obra-prima do gênero musical. Lançado em 1990, o disco Behaviour é o quarto álbum de estúdio da banda, atingindo o nº 45 da Billboard 200. Significou também uma mudança de rumos para o Pet Shop Boys. Devido ao período turbulento, final dos anos 80, o grupo encabeçado por Neil F. Tennant e Christopher S. Lowe parte para uma linha mais madura, com músicas descrevendo o cenário daquele momento.

FICHA

"Pet Shop Boys – Bahaviour"
Data de Lançamento: 1990
Número de faixas: 10
Estilo: Synthpop
Tempo Aproximado: 48:52

Faixa-a-Faixa:

Lado A
01. Being Boring – 6:48
02. This Must be the Place I Waited Years lo Leave – 5:30
03. To Face the Truth – 5:33
04. How Can You Expect to Be Taken Seriously? – 3:54
05. Only the Wind – 4:18

Lado B
01. My October Symphony – 5:18
02. So Hard – 3:56
03. Nervously – 4:06
04. The End of the world – 4:43
05. Jealousy – 4:47


Design – Mark Farrow, Pet Shop Boys
Engenheiro – Bob Kraushaar, Brian Reeves
Engineer Assistente – Danton Supple, Robin Barclay
Gerenciamento – Carolyn Sinclair
Mixagem – Julian Mendelsohn
Fotografia – Eric Watson (3)
Produção – Harold Faltermeyer, Pet Shop Boys



Gravadora: Parlophone


Behaviour foi aprovado pelos críticos desde o começo por ser diferente de tudo o que até então o Pet Shop Boys fazia. Os fãs rejeitaram o álbum no começo, mas o inconfundível estilo Introspectivo e Melancólico do álbum fez com que todos passassem a gostar dele.

Na verdade, Behaviour surge como uma associação sociológica sobre a década de 1980, documentando em muitos aspectos, os resultados de atitudes comuns e, também, o comportamento da década. Quer seja através da devastação ocasionada pela AIDS, os resultados da ganância, infidelidade e promiscuidade, as poses do estrelato pop, ou o colapso virtual do comunismo, em uma música atrás da outra, o álbum detalha a sensação de perda e confusão ocasionada pelo comportamento individual e coletivo.
Podemos observar melhor isso através da análise de cada uma das faixas desse álbum:

Faixa-a-faixa:
Lado A:

Being Boring: Considerada como a melhor música do álbum e, particularmente para mim, a melhor do grupo, ela evidencia a mudança de comportamento do Pet Shop Boys, onde claramente percebemos a presença da nostalgia através de alguém que relembra momentos de sua vida. Segundo dizem, Neil Tennant teve a ideia do título após ler em um jornal que o Pet Shop Boys era chato. Além disso, ele também estava chateado por ter perdido um amigo vitimado pela AIDS. Críticas ao som da banda, perda de um amigo próximo, mudanças na configuração política mundial e o perigo da AIDS rondando levaram o cantor, que possui a mais bela e nobre pronúncia da língua inglesa no mundo pop, ao clima em que foi escrita a canção que evoca o passado e analisa uma trajetória de vida. É uma canção pessoal e intimista, mas que talvez não seja necessariamente autobiográfica. A música Being Boring não foi bem sucedida no início e teve o clipe barrado em várias emissoras, devido ao seu conteúdo sexual.

This Must be the Place I Waited Years lo Leave: Essa música é uma recordação do período escolar de Neil e retrata sua sensação de isolamento e insatisfação intensa presentes ali. É uma “narrativa de sonho”, como revelou no último verso, “Eu sonhei que estava de volta no uniforme”, em que ele, aparentemente, no início não percebe onde está, daí a frase título da música “Este deve ser o lugar que eu esperei anos para sair”, sinalizando seu desejo final. É importante destacar que após o lançamento dessa música, os professores da antiga escola de Neil expressaram publicamente o descontentamento pelas declarações do antigo aluno. Esta música conta com a participação do guitarrista Johnny Marr, ex-integrante dos Smiths, assim como nos hits My October Symphony e Being Boring.

To Face the Truth: “Machuca muito enfrentar a verdade”, canta Neil, o que é de fato real quando a verdade com que você se depara leva ao término de um relacionamento amoroso. Essa música trata do mesmo tema que a canção “Jealousy” no final desse mesmo álbum (ambas as músicas, por exemplo, descrevem o narrador deitado na sua cama tarde da noite e seu amor longe com outra pessoa). Você consegue perceber que embora saiba o quanto seja difícil confrontar os fatos, ele se prepara para seguir em frente com sua vida sem seu amor. No verso final da música, ele diz que ainda que a amasse, vai terminar o relacionamento. E a questiona se ela realmente se importa com isso, afirmando que é a vez dela de “face the truth” (enfrentar a realidade).


Capa do single - Jealousy

How Can You Expect to Be Taken Seriously?: Uma suposta crítica sobre as pretensões e hipocrisias dos “pop stars”, porém, sem citar nomes. As suposições e especulações citaram Bono, Bruce Springsteen, Sting e George Michael, entre outros (há ainda aqueles que sugeriram Phill Collins, que lançou seu álbum, …But Seriously, quase um ano antes do álbum Behaviour ser lançado), porém, Neil declarou que essa música não se referia a nenhum artista em particular. A questão principal dessa música é quase retórica. Os “pop stars” de fato esperam ser levados a sério, quando defendem questões ecológicas, políticas e sociais, já que, geralmente, muitas pessoas – principalmente seus fãs – os levam a sério. O Pet Shop Boys apenas discute o quanto isso pode ser questionável. Uma curiosidade sobre essa música é que ela era tocada incansavelmente no ano em que a MTV estreou no Brasil.

Only the Wind: Neil declarou que o vento o qual ele se refere nessa música é uma metáfora para a violência doméstica. Alguns críticos levantaram a hipótese dele se referir a AIDS que estava se difundindo entre Neil, seus amigos e a sociedade em geral e que, aparentemente, era impossível de contê-la, mas, isso só foram algumas suposições, nada de concreto. No final da música, Neil fala “Me desculpe” – o que se encaixa mais efetivamente ao seu contexto de violência doméstica.

Lado B:
My October Symphony: Confirmando seu interesse pela história russa, Neil leu o livro de Ian MacDonald’s, de 1989, The New Shostakovich, sobre o grande compositor soviético e os desafios que ele e outros artistas enfrentaram sob um regime repressivo que considerava as artes meras ferramentas para fins sócio-políticos. Isso inspirou Neil a adotar o papel de um compositor russo que dedicou sua vida e trabalho aos ideais da Revolução, porém, agora se sente confuso e traído no recente colapso do comunismo. A música foi dedicada à Revolução de Outubro da União Soviética de 1917, mas ele melancolicamente se pergunta se deveria “reescrever ou revisar” ou “mudar a dedicação de revolução para revelação”. Assim, a canção diz respeito à situação que enfrenta qualquer artista, ou qualquer pessoa, quando tudo que dava sentido à sua vida e obra muda de repente. Em outras palavras, trata-se de uma crise pessoal existencial.


Capa - How Can You Expect To Be Taken Seriously?

So Hard: Assim como em outras músicas deste álbum, “So Hard” trata das relações difíceis entre as pessoas, destacando a infidelidade mútua que gera a desconfiança. Com direção de Eric Watson, é considerado um dos melhores videoclipes do álbum. O tratamento das imagens em preto e branco e os sintetizadores que são tocados tornam esta música um verdadeiro clássico.
Nervously: Não há mistério quanto ao que se trata essa canção. Ela simplesmente descreve o quanto nervosa, ansiosa, insegura uma pessoa se sente ao encontrar alguém que considera atraente e consequentemente se apaixona.


Capa do single - So Hard

The End of the world: Essa música tem um apelo bastante simples para os ouvintes não desistirem da vida só porque eles têm se decepcionado no amor. No verso final, entretanto, Neil se torna bastante profético, satirizando as tendências das pessoas – especialmente adolescentes – associando tais decepções com o “fim do mundo”. Alguns críticos consideram que nessa música, Neil teve uma surpreendente influência do Depeche Mode. Tocando a guitarra nessa faixa, Neil estava tentando “reproduzir” o som da guitarra da música “Enjoy the Silence” do Depeche. Será? Vale a pena conferir.

Jealousy: Encerrando o álbum, temos Jealousy, escrita em 1982, mas, somente gravada em 1990 neste álbum. Jealousy trata especificamente do ciúme. Podemos escutar ao final uma orquestra sinfônica, o que seria a base para o lançamento do single desta música em 1991, com a presença de uma orquestra real. Este encerramento dá um toque especial para este álbum, que é considerado por muitos como uma verdadeira obra POP.

Curiosidade:
- O clipe de Being Boring foi inicialmente barrado em várias emissoras de TV, como a MTV, devido ao seu forte conteúdo sexual.
- O álbum original remasterizado e com um disco bônus contendo faixas adicionais, remixes e músicas não lançadas mais um livreto com 36 páginas com entrevistas, letras de música e fotografias exclusivas compõem um CD Duplo raro do álbum Behaviour, lançado em 2001, com edição limitada. Além das faixas já analisadas que estão no Disco 1, há no Disco 2 as seguintes músicas:
1. It Must Be Obvious
2. So Hard [Extended Dance Mix]
3. Miserablism
4. Being Boring [Extended Mix]
5. Bet She´s Not Your Girlfriend
6. We All Feel Better in the Dark [Extended Mix]
7. Where the Streets Have No Name [Extended]
8. Jealousy [Extended Version]
9. Generic Jungle
10. DJ Culture [Extended Mix]
11. Was It Worth It? [Twelve-Inch Mix]
12. Music for Boys [Ambient Mix]
13. DJ Culture [Seven-Inch Mix]

Reynaldo e Andréa Bergamo