Notorious
Rick Astley - Hold me in Your Arms

 

Durante muito tempo o cantor britânico Rick Astley foi colocado como um artista do segundo escalão do pop. Mesmo com o estrondoso sucesso de seus dois primeiros álbuns (Whenever You Need Somebody e Hold Me Your Arms), a impressão que tenho é a de que ele nunca foi levado a sério no meio artístico. Com pinta de bom moço, voz grave (sua extensão vocal é de um barítono, sabiam?), letras essencialmente românticas e músicas pop com pitadas de soul music, hoje em dia é fácil gostar de Rick Astley. É quase uma moda entre a nova geração, que fica num deslumbre com aquele som que não é da sua época. Mas para nós não tem erro: Rick Astley é bom! Ponto!

FICHA

Rick Astley - Hold me in Your Arms
Data de Lançamento:
1988
Número de Faixas: 10
Estilo: Synthpop, Electronic
Tempo Aproximado: 39 minutos

Faixa-a-Faixa:
Lado A
01. She Wants To Dance With Me - 3:14
02. Take Me To Your Heart - 3:27
03. I Don't Want To Lose Her - 3:31
04. Giving Up On Love - 4:01
05. Ain't Too Proud To Beg - 4:19

Lado B
01. Till Then (Time Stands Still) - 3:14
02. Dial My Number - 4:09
03. I'll Never Let You Down - 3:55
04. I Don't Want To Be Your Lover -3:58
05. Hold Me In Your Arms - 4:32

Produção – Stock Aitken Waterman, Rick Astley, Ian Curnow, Phil Harding, Daize Washbourn

Gravadora: RCA

Seu segundo álbum de estúdio, Hold Me Your Arms, lançado em novembro de 1988 (logo completa 30 anos de vida!) foi muito aguardado pela crítica e pelo público e não decepcionou aqueles que já tinham dançado muito ao som de Never Gonna Give You Up e Together Forever e esperavam mais hits para se jogar na pista sem hora para ir embora. Para começar, as duas faixas iniciais (She Wants To Dance With Me e Take Me To Your Heart) são muito dançantes e lembram bastante os principais hits do álbum anterior. E não poderia ser diferente se a gente pensar que nesse ano de 1988 foram lançados muitos álbuns altamente dançantes (logo publicaremos aqui no site um texto especial só com os principais álbuns lançados em 1988), e a formula do sucesso era essa: fazer dançar. E isso fica bem claro na próxima música do álbum I Don’t Want To Lose Her. As duas músicas que vem na seqüência (Giving Up On Love e Ain’t Too Proud To Beg) são mais suaves e flertam com a soul music, um dos estilos musicais favoritos do cantor. Esse é o momento ideal para convidar o crush para uma dança.

Continuando, na seqüência temos Till Then (Time Stands Still) que é uma música bem dançante e me faz questionar porque esse álbum tem tanto destaque para as músicas lentas se as faixas dançantes são sensacionais e sem sombra de dúvida são a maioria das composições. Nosso barítono favorito gosta mesmo é de fazer o seu público dançar. A música seguinte é Dial My Number, que fez bastante sucesso na época, mas está longe de ser a minha favorita. Esta música tem uma pegada mais funkeada, lembra algumas músicas gravadas nos anos 70, mas mais suave. Não é uma música ruim, longe disso, mas penso que ela poderia ser melhor.

A próxima música é lentinha (e linda) I’ll Never Let You Down só não é a minha favorita no álbum inteiro porque eu tenho uma tendência natural a gostar das músicas mais agitadas. Mas ela é linda. Do tipo que você quer ouvir no repeat 15 vezes seguidas. A música seguinte também dá vontade de ouvir no repeat 15 vezes seguidas, mas porque ela é animada! I Don’t Want To Be Your Lover tem um ritmo tão gostoso que faz a gente começar a acompanhar a batida estalando os dedos. E batendo palmas. E fazendo passinho. Ao mesmo tempo! Essa é a minha favorita do álbum. Sem dúvidas.

Para encerrar, a última música do álbum é também a faixa que dá nome a esse trabalho. Hold Me Your Arms com certeza (na minha humilde opinião) é a responsável pela fama desse álbum ser um trabalho de músicas lentas. Este foi um single de muito sucesso na época e até hoje toca em diversas emissoras de rádio no Brasil. É uma música extremamente melodiosa e que pra mim transmite paz, algo que precisamos muito nos dias de hoje.

O álbum teve cinco singles: She Wants To Dance With Me, Take Me To Your Heart, Giving Up On Love, Ain’t Too Proud To Beg e Hold Me In Your Arms. Desses, três atingiram o top 10 britânico. O que reforça minha teoria de que Rick Astley é MUITO bom, sim!!

Brega, ele? Jamais! O que ele fez nesse álbum é pop de mais alto nível. Com ritmo, melodia, boas letras e ótimas referências de outros estilos musicais. Ouça e comprove.


Ana Paula Santos