Notorious
Suzanne Vega - Solitude Standing

 


Solitude Standing é o segundo álbum da carreira da cantora americana Suzanne Vega. Foi lançado em 01 de abril de 1987 e contou com a produção de Steve Addabbo e de Lenny Kaye.

As letras das músicas desse trabalho retratam a solidão como algo vivo, uma obra autoral já que Suzanne o escreveu praticamente por inteiro e teve como inspiração sua própria experiência, depois de dois anos de relacionamento, ela se viu sozinha em uma sala da casa que ela mesma tinha comprado...

FICHA

Suzanne Vega - Solitude Standing
Data de Lançamento:
1987
Número de Faixas: 11
Estilo: Pop/Rock
Tempo Aproximado: 45 minutos

Faixa-a-Faixa:
Lado A
01. Tom's Diner - 2:08
02. Luka - 3:51
03. Ironbound / Fancy Poultry - 6:17
04. In The Eye - 4:12
05. Night Vision - 2:45

Lado B
01. Solitude Standing - 4:34
02. Calypso - 4:12
03. Language - 3:54
04. Gypsy - 4:01
05. Wooden Horse (Caspar Hauser's Song) - 5:09
06. Listen To Your Heart - 2:39

Produtor –Steve Addabb, Lenny Kaye


Gravadora: A&M Records

Baseada nessa luta contra a solidão, as faixam avançam, cada uma com um significado diferente. Os personagens em cada música querem romper com a depressão, angústia que sentem.

Duas canções desse álbum foram sucesso mundial: - "Tom's Diner" que, para quem não sabe, aparece duas vezes no álbum: na faixa 1 - versão “cappella vocal” sem instrumento algum, somente com a voz de Suzanne Vega! E na última faixa: versão instrumental com violino, teclados e apoio de guitarra, sem a voz de Suzanne! Só em 1990, foi base para o remix (não autorizado de início) feito pelo grupo britânico DNA (pseudônimo de dois produtores de música eletrônica inglesa Nick Batt e Neal Slateford), alcançando o quinto lugar nas paradas pop da Billboard. Olhem só: apenas sua voz levou artistas a criar remixes diferentes com instrumentos e sons eletrônicos!

- "Luka", uma canção com carga muito emotiva já que trata de abuso. Com arranjos simples mas arrebatadores, atingiu o terceiro lugar na lista de singles da Billboard e recebeu indicações ao Grammy para as categorias “Música do Ano”, Melhor Cantora Pop” e “Álbum do Ano”.

Outras faixas muito interessantes:
Em "Iron Bound / Fancy Poultry”, por exemplo, é explorado o conflito interno que assola o personagem principal, com um riff de guitarra bem lento atrás das letras, acaba misturando melodias a ponto de confundir o ouvinte.

Já em "In the Eye", o discurso é em primeira pessoa. Com instrumentais indo de encontro com o vocal quase ameaçador.

"Night Vision" com guitarra mais lenta, letra mais fictícia, inspirada por poesia.

Curiosidades
: a música "Calypso" leva o nome da ninfa que mantinha Odisseu em uma ilha, impedindo-o de estar com sua esposa; e a sombria canção "Wooden Horse", fortemente percussiva, foi baseada na história do alemão Kaspar Hauser, que afirmou ter sido mantido sozinho em uma masmorra desde a infância.

Não há como negar: esse álbum é feito por canções simples e melódicas sim, mas com todo diferencial de uma voz clara, elegante, encantadora e delicada de Suzanne Vega! Inesquecível!

Damaris Camargo Aranha