Notorious
Bomb The Bass - Into The Dragon

Encarte do tape de "Into The Dragon "

Destaque para um álbum que marcou a historia da música recente e influenciou uma geração inteira de produtores e Dee jays. Into the Dragon do Bomb The Bass, trouxe em seu conteúdo e forma coisas nunca antes feitas ou imaginadas, ajudando a criar estilos e uma nova forma de se produzir musica. O responsável por isso foi Tim Simenon, nascido em Londres em 1968, filho de imigrantes da Malásia, o que explica a sua aparência oriental, e pensar que muitos por aqui na época chamavam o cara de “o japonês do Bomb the Bass”.

Em 1987 Tim Simenon era Dj residente em uma casa chamada Wag Club em Londres, quando resolveu freqüentar um curso sobre engenharia de estúdio, onde obteve conhecimento sobre instrumentação eletrônica. A verdade e que justo nesta época surgia toda uma tecnologia que permitia fazer coisas e criar sons nunca antes imagináveis, com o uso de MIDIS, Drumloops, repetidos varias vezes, e o uso de samples, como trechos de musicas, vozes, sons de carro, metralhadoras, etc. Outro ponto importante para se conseguir tais feitos, e que os computadores lançados na época alcançavam a potencia necessária para serem usados de forma eficaz na produção musical. Com tudo isso em mãos, muito conhecimento e criatividade Tim Simenon, juntou-se com os produtores Pascal Gabriel e Emilio Pasquez e lançou o seu primeiro single Beat Dis. Com o nome de Bomb the Bass, que podemos definir como uma grande equipe, formada por cantoras sensacionais como Maureen Walsh, Lorraine e cantores de Rap, alem do produtores já citados, Tim Simenon sacudiu o mundo da musica em 1988, com o lançamento do álbum Into The Dragon, usando samples de artistas como Enio Morricone, Public Enemy, alem de sons industriais, trechos de vozes de seriados antigos, entre uma infinidade de outros sons. Antes que você pergunte, samples de uma forma mais simplificada significa colagem, ou seja você usa o trecho de alguma musica ou qualquer outro som e introduz na musica que esta sendo feita, e isso!..rs.

Frente do CD
Voltando a falar do álbum Into The Dragon, podemos dizer que sem sombra de duvidas ele foi responsável pela fusão da então House Music, que era um estilo novo com o Hip Hop, surgindo daí o Hip House, e outros estilos mais recentes. Com esse trabalho Tim Simenon inspirou vários Djs a tornarem-se produtores, expandindo a área de atuação dos profissionais e trazendo significativa importância para a profissão de Dj. Muitos não sabem, mais depois deste álbum Simenon produziu na época “Buffalo Stance” e “Manchild” da cantora Neneh Cherry, “Crazy” do cantor Seal e “Killer” do grupo Adamski que tinha Seal nos vocais, antes de partir em carreira solo, todas musicas de muito sucesso no ano de 1990, mas que não deram o devido reconhecimento a Tim Simenon. Em 1991 Simenon lançou o álbum “Unknown Territory”, em seguida voltou a trabalhar como produtor da cantora Bjork. No ano de 1995 criou o seu próprio selo chamado “Stoned Heights” e lançou o seu terceiro álbum intitulado “Clear”, que conta com participações de artistas como a cantora Sinnead O`Connor. Tim trabalhou também com o grupo Depeche Mode na canção “Only When I Lose Myself " do álbum “Ultra”. Vale ressaltar que os últimos álbuns lançados por Tim Simenon continuam surpreendendo, sempre inovando e trazendo fusões e idéias nunca antes imaginadas para suas musicas. Tim Simenon esteve no Brasil em 2008 para apresentações no festival Nokia Trends, que aconteceu dentro do histórico Cine Marrocos, onde relembrou os sucessos do álbum Into the Dragon, e apresentou as novas músicas do mais recente álbum da banda intitulado “Future Chãos”. Agora vamos viajar por este álbum incrível e de extrema importância para a musica lançado em 1988 e chamado “Into The Dragon”.

Faixa a Faixa


Verso do CD "Into The Dragon"

Beat Dis - Abrindo o álbum á faixa mais conhecida de todos nos, a música foi lançada em um single antes da produção do álbum, e fez um grande sucesso nas rádios e pistas de todo o mundo. Aqui no Brasil ficou muito conhecida por ser trilha de abertura do saudoso programa de videoclipes da TV Gazeta chamado Clip Trip, comandado por Beto Rivera com a ajuda do seu companheiro o boneco Capivara. Beat Dis e apresentada aqui em uma versão 7` Mix, muito tocada nas rádios por ser uma versão reduzida. Já a mais tocada nas pistas era a versão 12`, que apresenta mais alguns Samples (trechos de outras musicas) como o de `Double Dutch Bus` de Frankie Smith, um sucesso da Funk Music do começo dos anos 80. Alem claro de Tim Simenon, Pascal Gabriel e Emilio Pasquez são os responsáveis pela criação da base de Beat Dis, que e indispensável em qualquer festa dos anos 80.

Megablast Rap - Aqui começa a introdução do grupo, em cada faixa que se segue, uma apresentação diferente, quase sempre relacionada ao tema da musica que vai tocar. Megablast Rap traz uma sonoridade e batida mais ligada a Funk Music dos anos 70, inclusive no Sample de um clássico dos anos 70, que e introduzido varias vezes durante a musica. E é claro o rap cantado pelo grupo, que influenciou muita gente que começou a fazer o mesmo tipo de som, e que foi batizado pela mídia especializada de Hip House.

FICHA

"Bomb The Bass - Into The Dragon "
Data de Lançamento:
Outubro de 1988, 10 faixas, 41 minutos, aprox.

Faixa a Faixa:
01. Beat Dis (U.S. 7" Mix) (3:24)
02. Megablast Rap (Version) (6:15)
03. On The Cut (3:30)
04. Don't Make Me Wait (3:44)
05. Dynamite Beats (0:52)
06. Megablast (Hip Hop On Precinct 13) (3:40)
07. Hey You! (3:00)
08. Shake It (4:30)
09. Say A Little Prayer (4:30)
10. Beat Dat (Freestyle Scratch Mix) (2:40)

Produzido por: Gabriel & Simenon
Engenheiro de som: Lucy Blunden
Mixagem: Mike Shipley
Edição: Paul Solomons
Capa: David Little, Max Speed
Gravadora: Rhythm King Records

On The Cut - Mais uma introdução curiosa, que começa com o típico ruído que e ouvido quando estamos procurando sintonizar uma estação de radio no dail, barulho que só pode ser captado nos antigos rádios, algo impossível de se conseguir nos rádios atuais com dail digital. Na seqüência uma acapela de um cantor Árabe, em seguida um trecho da trilha feita pelo lendário Lalo Schifrin para o filme Enter the Dragon de Bruce Lee, produzido em 1973, aqui no Brasil chamado de Operação Dragão, Lalo Schifrin criou também a famosa trilha do seriado Missão Impossível. Nesta musica muitos grooves de batidas e bases diferentes, com trechos de vozes, que podem ser de personagens de desenhos animados e seriados antigos, coisas impossíveis de serem identificadas. Ritmo alucinante e um refrão que puxa mais um sample de um clássico dos anos 70.

Don't Make Me Wait - Outro clássico das pistas e executada em varias rádios da época. Temos nesta musica os vocais de Lorraine, com um refrão marcante, solos de guitarra, alguns scratchs e uma pegada que lembra o estilo Freestyle, Don t Make Me Wait levanta qualquer pista de dança.

Dynamite Beats - Som totalmente experimental, a musica traz um solo de bateria com alguns elementos de teclados e sintetizadores. A musica e curtinha e dela partimos para a introdução de Megablast, mais uma vez com aquele ruído de mudança de estação de radio.

Megablast ( Hip Hop On Precint 13) - Chegamos então a este som que tocou em algumas danceterias e rádios, tendo saído na coletânea da danceteria Overnight em uma versão megamix do Bomb The Bass. Entre os muitos samples temos trechos de Bufalo Gals de Malcom Mclaren.

Hey You - Encontramos aqui algo interessante, uma mulher assumindo os vocais para cantar um Rap, algo pouco comum na época. Como base para esta musica Tim Simenon usou Word Famous de Malcom Mclaren alternado com outras bases e samples de clássicos da Funk Music do começo dos anos 80. Hey You! é Sensacional e revolucionária no contexto sonoro.

Shake It - Esta musica e a que soa de forma mais diferente no álbum, começa com samples que provavelmente são da musica Robot do Kraftwerk e usa uma base mais ligada a House Music, gênero musical que surgiu em meados de 1986 com bandas como o Inner City com as musicas Big Fun e Good Life, a sonoridade de Shake It, lembra muito estas musicas. E pra sair dançando.

Say a Little Prayer - Uma acalmada na loucura deste álbum para os poderosos vocais de Maureen Walsh, em uma versão pra lá de espetacular para esta musica que e um cover de Burt Bacharach. Apenas uma bateria com poucas variações e alguns teclados, mas o que segura mesmo a musica e a interpretação da cantora Maureen Walsh.

Beat Dat (Freestyle Scratch Mix) - Ouvimos algumas vozes, de repente scratchs e risadas dos integrantes ao fundo. Começa então a piracao total, usando a base de Beat Dis, Tim Simenon viaja em uma seqüência de samples e scratchs pra deixar qualquer Dj alucinado. Aproximadamente aos dois minutos e oito segundos de musica vem o melhor, uma seqüência de Scratchs de tirar o fôlego, o que mostra toda a habilidade de Simenon ,e fecha este álbum histórico com chave de ouro!

Grande Abraço a Todos, Valeu!

Sandro Moraes